Quem deve cuidar do idoso na família

0
7

Quem deve cuidar do idoso na família? É responsabilidade de algum familiar específico o cuidado ou todos devem prestar atenção por si ou através de um cuidador profissional? Leia mais no artigo de hoje.

Leia também:

Saúde do idoso: pergunte ao especialista

Porque contratar um Cuidador de idoso?

O que é e como contratar um cuidador de idoso folguista ou nos finais de semana

Funções do cuidador domiciliar

O papel da família na vida do idoso deve ficar claro. Quando há um cuidador profissional, os papéis devem ser bem definidos, de modo que todas as pessoas próximas ao recebedor dos cuidados (pessoa assistida) cooperem mutuamente para a promoção da sua qualidade de vida.

Quem deve cuidar do idoso na família: o sexo importa?

Normalmente, um integrante da família se responsabiliza pelas providências para possibilitar a assistência ao ente que depende de cuidados. As mulheres, de modo geral, assumem essa tarefa.

A única filha, a nora, aquela que tem mais afinidade, mais disponibilidade (de tempo, financeira, de espaço físico em casa), usualmente lideram as questões relacionadas ao cuidado ou até mesmo cuidam diretamente.

Esta é uma realidade no Brasil e em diversos países, e pode ocasionar sobrecargas físicas e emocionais na pessoa que toma a frente da situação.

Se o responsável pelo cuidado não se cuidar, não será capaz de cuidar de ninguém.

Adriano Machado, fundador da Acvida Cuidadores

As famílias, quando muito grandes, partilham a responsabilidade das decisões, dos custos e até da administração dos bens e renda do assistido. Mas normalmente cabe (ou delega-se) a uma única pessoa a execução direta das providências.

Esse processo pode se dar informalmente, quando todos os componentes da família elegem um responsável, ou por meio da curatela, que é a tutela legal de um membro da família sobre a guarda e uso da renda do dependente.

Conflitos familiares

O entendimento entre os familiares pode ser uma experiência harmoniosa ou conflituosa, também por causa do estresse emocional que é lidar com uma doença incapacitante na família.

Conviver com o declínio das capacidades físicas e mentais dos genitores, avós ou tios não é nada fácil e, se não for bem conduzida, pode até adoecer aqueles que estão em volta.

Neste vídeo, Adriano Machado trata deste tema tão delicado.

A sobrecarga das providências de cuidados e a priorização do tempo em função das demandas do assistido podem impactar severamente a saúde do responsável pelo familiar dependente.

A melhor alternativa é contar com o apoio de outros familiares para compartilhar as responsabilidades. Revezar turnos ou dias de assistência com outras pessoas para resolver compromissos pessoais, fazer atividades de lazer e viagens são atitudes justas e saudáveis.

A opção pela contratação de cuidadores profissionais que assumam integralmente os cuidados é, sem dúvida, a alternativa que melhor exonera todos os membros da família e principalmente o responsável direto.

Essa escolha não exclui o familiar do convívio e da supervisão dos cuidados, pois é fundamental acompanhar o desempenho dos cuidadores e a qualidade dos serviços.

A melhor evidência da qualidade dos serviços de um cuidador é a aparência, o estado de espírito do assistido e, quando possível, sua opinião sobre quem mantém-se próximo dele.

Quem deve cuidar do idoso na família é aquele preparado para assumir as responsabilidades com respeito, amor e interesse pela pessoa assistida.

Cuidar do idoso: dificuldades dos familiares

  • Inspecionar a integridade da pele e mucosas;
  • Ler as anotações dos registros dos cuidadores (do Diário do Cuidador);
  • Verificar uso correto e racional de medicamentos, materiais e cosméticos;
  • Perguntar ao assistido, caso a opinião seja segura, sobre a satisfação com os profissionais;
  • Perceber alterações de humor, sentimentos de insegurança e expressões do assistido na presença de cada cuidador;
  • Acompanhar eventualmente o banho e as trocas de fraldas para avaliar a execução de técnicas de cuidados;
  • Acompanhar o idoso quando não se está presente (câmeras podem ajudar);
  • Caso o profissional faça o acompanhamento nas consultas, pergunte reservadamente aos profissionais de saúde a opinião deles sobre a atuação e relação do cuidador com o assistido. Averiguar também com vizinhos e outros profissionais da residência;
  • Cumprir as obrigações trabalhistas junto a seus cuidadores;

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui